14 de julho de 2012

Impaciência


Parece que andei poetizando demais o impossível
cheguei até há viver utopias...( talvez as mais belas)

Acreditei demais nos seres e suas dialéticas torpes
Pitando meus olhos com cores demais,
Vivi o amor mais solitário de todos os tempos (muito parcial)

Cavei minha cova com excesso de palmos
Me converti, resisti, desisti

Nunca dei para falsas franquezas
Me expus, chorei e sofri
Julguei e fui julgada
Agora observo em silêncio,
a vida.
Uma fábula sem moral.


Amne

2 comentários:

Dúuh Madden disse...

Parabéns! Adorei seu poema =]

- http://extorniadarkina.blogspot.com.br/
Enta aí e deixa uma sugestão tbm ;D

Marcos disse...

não tem moral da história nessa vida.
é pra ser vivida.
ponto.