20 de janeiro de 2011

Procura-se sonhos


Onde será que perdi meus sonhos?
Não sei como, onde ou quando
Mas eles se foram um à um
Olhei dentro dos bolsos das jaquetas antigas.
Olhei dentro dos olhos que cruzaram meu caminho.
Olhei em minhas mãos vazias
Olhei pro céu procurando
Sem graça nenhuma, sem estrelas trêmulas...
Sem arco-íris.Sem cor...
Palavras sem valor enfeitando papéis.
Onde será que perdi meus sonhos?
Em qual esquina da vida?
Por qual cotovelo da esquina?
Engrenagens de vento me conduzem entre os dias
Dias sem sonhos
Nem mesmo aquele da padaria restou
Onde será que perdi meus sonhos?
Dentro do peito uma porta torta e barulhenta
Range seus dentes sem sonhos.
Assim perdidos no tempo em que existiram
Nas tardes, das manhãs nascidas da noite...
Olhei até embaixo da cama.
Não adianta, não restou nenhum.
Amne

3 comentários:

Rodrigo Bentancurt disse...

Oi, poetinha, fazia tempo que eu não andava pelos blogs. Teu design está muito bonito e conteúdo segue excelente. Parabéns! Um beijão!

João disse...

Querida, se teus sonhos acabaram comemore!
Sim , é um pessimismo teórico, mas um otimismo prático!
Amne , estava assistindo um entrevista com o Ziraldo em que ele falou abertamente que 95% da humanidade não presta , 5% é o que salva (...)

"só sem desejos é que se vive o agora"


BJOOOOO!

Carla disse...

Lindo blog, parabéns.