26 de julho de 2011

Barulhinho no silêncio


O mais provável
é que nunca eu consiga tirar de mim as marcas da sua falta
Eu vivo entre mundos perdidos,
Nada se encaixa em meu destino
Nada se torna um instante
Tudo é vazio e falta
Mesmo pulando amarelinha fora do meu ventre
Você ainda não sabe,
Mas por qualquer motivo divino
somos que é só
parte um do outro
Sinto sua falta!
Um certo barulhinho no silêncio
que muitas vezes a vida provoca...


Amne

2 comentários:

Jane Izar disse...

Parabéns poetinha, a dor parece ser unanime ultimamente, mas a gente sobrevive, nos modificando, reciclando tudo, bjs.

Thati Dias disse...

Nossa... simplesmente tocante...
Um beijo