4 de outubro de 2012

Até logo

Hoje eu estou mais pobre. Hoje eu estou em LUTO. Neste mundo em que vivemos, as pessoas começam bestialmente a confundir o banal do essencial. E hoje, eu posso dizer, que está faltando parte do meu essencial. Vejo pessoas reclamando e abrindo suas bocas por tão pouco, miseravelmente dissolvendo a essência na rotina da vida, indo contra tudo aquilo que valorizo. Hoje estou apartidária para poemas, textos, e manifestos... Eu quero apenas, olhar para a lembrança que carregarei durante todos os meus dias, até o meu ponto final. Hoje não quero inventar saudade, quero senti-la minuto a minuto. De maneira a testemunhar mais uma página de história. Já amanhã será outro dia... Hoje, eu e o mundo, estamos mais pobres ao lançar um punhado de terra com um adeus dolorido, um punhado de terra que deixará uma enorme ausência no coração de cada um de nós familiares e amigos. Mas para falar dele, não cabe o vazio, nem mesmo a morte. Mesmo mais pobre, falarei da sua VIDA...Preciso de paz na despedida... Em 16 de junho de 1927, nasceu um grande homem. E hoje, ele nos deixa, carimbando em nossas almas a essência do que é viver de verdade. É impossível não falar de suas virtudes: perseverança, trabalho, humor, integridade, discernimento, resistência, ternura, dignidade, sabedoria, serenidade e creio que a maior delas, sua maior virtude sem dúvida, HUMILDADE. Foi assim,com muita humildade, que construiu, lá no interior de Goiás, uma família da qual se orgulhava e citava sempre que possível. Com onze filhos, 25 netos e 23 bisnetos, se assina o que chamamos de exemplo de vida. Quantas pessoas conhecemos, que podemos dizer dignas de tamanhas virtudes? O mundo perde... Certa vez, li : “A humildade é a única base sólida de todas as virtudes.”
Tão humilde ele foi. Conhecia a fundo a sabedoria dos homens, e isso meus caros, nenhum banco de escola lhe forneceu. Sempre alimentou os seus, com o suor de sua inchada, e riu com a alma inteira, nunca espedaçada, como fazem a maioria dos letrados que conheço. Pagou todas as suas contas, e em cada ato vivido, produziu simplicidade. Leonardo da Vinci, afirmou que: “A simplicidade é o último grau de sofisticação.” E como pode meu Deus, um singelo grande homem ter tamanha sapiência? ...Pois ele tinha. E com muita ternura ensinou para cada um de nós a igualdade e fragilidade humana, o valor do trabalho e da verdade. É difícil não chorar, ao compreender o tamanho de nossa enorme perda hoje. Fico pensando, e almejando que eu jamais perca meu tempo com coisas menores, e possa ser grande como ele foi, valorizando as coisas certas! Que o pouco ou o muito que eu viva, transcreva em passos a frase Martin Luther King: “Pouca coisa é necessária para transformar inteiramente uma vida: amor no coração e sorriso nos lábios.” Ele provavelmente, não conheceu Luther King em sua forma filosofal, mas sábio como ele só, viveu dessa forma. Seu amor pela vida, pelas crianças e pelas pessoas, definiu para nós o homem que foi. Sempre servirá de exemplo de humildade, retidão, amor e trabalho. Hoje eu fiquei mais pobre e o mundo também! Sua essência tocou e afetou a todos nós, vovô! Um dos maiores e melhores homens que já conheci... E por sua infinita amizade e compreensão deixo meu maior abraço, e aquele sorriso que me ensinou ser importante para o coração. Que sua dignidade impere dentro de cada descendente. E que sua luz jamais se apague. Vá com os anjos! Até a próxima vez... sua neta, Amne Faria

2 comentários:

Andre Balducci disse...

Amne,

Eu tenho meu avô também como uma exemplo de vida, gostei muito de ler esse seu sentimento, pois me fez lembrar ainda com mais amor o meu Avô "Véio Manu" Manuel Quintino Eugênio...

Bjs André Balducci

Andre Balducci disse...

Amne,

Eu tenho meu avô também como uma exemplo de vida, gostei muito de ler esse seu sentimento, pois me fez lembrar ainda com mais amor o meu Avô "Véio Manu" Manuel Quintino Eugênio...

Bjs André Balducci