29 de julho de 2008

Apenas uma resposta ao poeta!

Resposta

A verdade se colocou na minha retina
Passando tudo tão claramente aqui dentro
Fiquei pensando o quanto voou
Observei a tua vontade se transformando em poesia
Fiquei sonhando que era até humano
Que talvez eu até pudesse pegar e tocar na tua alma

A minha verdade, costuma ser tão incoerente
Mas ainda é também vaga
E eu também crua

Observo tua vontade ao longe
Como pretendes a busca pelo chão?
Já que tanto te aplaudem
Você se sente só!
Talvez tanto quanto eu... mas ainda ousa o pilar
Daquele instante de cruz onde te exaltam

Somos é palavras, pouco nos resta mesmo
Triste combinação e sina esta a nossa,
daqueles que fazem do corpo a
Continuação da idéia e do sonho

Continuo a esticar meus braços até o céu
Tenta nem que por instantes tocar o chão
e voltar para a seguridade de nossas cavernas de papelão.
Só me apego as esperanças do dia.

Abraços aos braços meus e teus na imensidão da distância.

Amne

Um comentário:

Sílvia Calazans disse...

=))))))
minha poetisa mais que perfeita!