22 de janeiro de 2010

Tempestades de bonança


Arregaçando as mangas e a alma
O que é que sobra?
Um futuro vazio de urgências morosas
Na estrada dos tijolos amarelos
Onde já nada se sente
Com mãos e suor petrificados pelo vento e a tempestade
Que matou a plantinha seca no vaso...

Que agora separa os cacos por ordem de tamanho
E remenda os buracos na face
Dança pras agonias que a noite trás...
Surpresa pelo mundo apenas girar
Girar e girar
Num eixo só.

Impaciente com tanta paz
Inconveniência do tudo sentir
Até quando medo vira bonança
E vida, surpresa trazida enrolada em presente pequenininho...
Dedilhando vagamente sobre os dias tão novos.
Amne

Um comentário:

João disse...

"Impaciente com tanta paz"

nossa!!! hoje acordei meio homem-bomba , precisava ouvir isso! rs bjo!